LÁGRIMA

“O que é, o que é? Clara e salgada Cabe em um olho E pesa uma tonelada Tem sabor de mar Pode ser discreta Inquilina da dor Morada predileta Na calada ela vem Refém da vingança Irmã do desespero Rival da esperança Pode ser causada por Vermes e mundanas E o espinho da flor Cruel que você ama Amante do drama Vem pra minha cama, por querer Sem me perguntar, me fez sofrer E eu que me julguei forte E...

AS FLORES E O AMOR

“Minha mãe sempre gostou de flores. Não um buquê, que em questão de dias murcha e seca. Mas uma planta com raízes, que mesmo perdendo as pétalas, no momento oportuno, torna a florescer. Oro para que deus em sua graça nos ensine a ofertar aos outros o perfeito amor, que tem em cristo as suas profundas raízes.” – Eu Não Perdi a Minha Fé, Cap. 4 – pág 89. Medson Barreto

ESCREVER DÓI

“Num país onde quase ninguém lê, escrever é quase um sacerdócio. Ao contrário do que muitos pensam, ser poeta não é um privilégio, é um castigo. Porque escrever dói, arranca pedaços e deixa marcas profundas no coração. Muitas vezes ele desce até o inferno para que o leitor suba ao céu e leia sua dor como se fosse dor alheia. É a magia das palavras. Escrever é sangrar um pouco todo dia na presença...

SONHAR E VIVER

“Não dá pra viver de sonho!” – Quem não sonha, na verdade, não vive. “É arriscado! Ninguém conseguiu antes.” – Eu posso ser o primeiro. “Por que não segue por estradas já construídas?” – Se elas existem, foi porque um dia alguém sonhou. Medson Barreto