Carta de Jesus para você - Menina, eu sino a sua dor- Devocionais - Reflexão - Medson Barreto

Se você está respirando agora não é por coincidência, destino ou sorte. A sua vida neste mundo não foi um incidente da natureza. Sua nacionalidade e etnia, o local e o momento exato em que você nasceu não são meros acasos. Seus pais podem não tê-la planejado, mas para mim você jamais seria um imprevisto. Eu sabia que estes dois indivíduos possuíam a combinação genética específica para gerar você em especial. Sim, eu projetei a sua existência[1].

Menina, muito antes de ser concebida por seus progenitores, você primeiro foi pensada por mim. Eu formei o seu interior e te teci no ventre materno. Conduzi a sua gestação e assisti de perto ao seu nascimento. Você é única, não há ninguém igual em todo o planeta. A cor de sua pele, cada detalhe de seu rosto e todas as características de seu corpo foram estabelecidas previamente. Até os cabelos de sua cabeça estão contados. Aprecio te ver sorrir e gosto de você exatamente do jeitinho que é[2].

Percebe o universo à sua volta? O céu, a luz e o calor do sol, o brilho da lua e das estrelas. A chuva, os rios e os mares. As plantas e seus frutos, os pássaros, peixes e animais terrestres. Sinta o chão firme sob os seus pés e o ar acariciar a sua face. Tudo o que você pode tocar, ver e ouvir e o que está além de seus sentidos existe como expressão de meu amor. Você é a coroa da criação, uma joia preciosa, templo onde o Espírito quer habitar, menina que o Pai deseja chamar de filha[3].

Eu conheço tudo a seu respeito. Examino o seu coração e sondo os seus pensamentos.  Antes mesmo que você fale, já sei o que vai dizer; antes que me peça, sei o que você precisa. É impossível esconder-se de minha presença. Acompanho seus movimentos e ações, e vivi cada um deles junto com você. Os primeiros passos e palavras. A manhã quando você satisfeita penteou os cabelos sozinha. As séries iniciais na escola, as letras que logo se tornavam palavras na ponta de seu lápis. O dia em que surgiram suas primeiras espinhas. As paixões da adolescência. As noites nas quais você reclinava sua cabeça sobre o travesseiro e pensava em suas perspectivas para o futuro[4].

Mulher, você foi dotada de uma percepção particular do mundo. Aparentemente frágil, no entanto, é forte. Você recebeu a dádiva de produzir vida, não apenas por seu ventre, mas através de seu coração. Sua feminilidade e sensibilidade te habilitam a edificar e contribuir de modo essencial às relações, à cultura e à ciência. Eu te concedi uma personalidade singular e te agraciei com incontáveis habilidades, talentos e dons. Te criei por um propósito, plantei sonhos em sua mente e estou agindo para capacitá-la a realizar os planos que possuo para você[5].

Contudo, a humanidade caída desfigurou o perfeito quadro que pintei. Menina, por vezes você se encontra paralisada e impotente no tortuoso caminho. Quando se vira para trás, enxerga pegadas manchadas de sangue. Ao estudar a história, testemunha suas antepassadas ao longo de séculos e em todo o globo sendo marginalizadas pela sociedade. Subjugadas por leis que as reduziam à condição de escravas domésticas. Consideradas objeto de posse, contadas entre bens e animais. Então, você se volta para frente e depara-se com suas semelhantes ainda de mãos calejadas pelo empenho de ocupar o espaço devido. Tendo seus conhecimentos subvalorizados e recebendo menos do que o valor justo por suas profissões. No interminável culto ao prazer masculino, você vê moças vendendo seus corpos como entretenimento nas telas, impressos e prostíbulos. Enfim, enclausura-se com medo ao assistir nos noticiários as estatísticas de agressões morais e físicas sofridas por mulheres[6].

Menina, eu sei de suas feridas. Não são poucas as circunstâncias em que você percorre as ruas esquivando-se de comentários maliciosos e olhares carregados de lascívia. Existiram pessoas que ridicularizaram a sua aparência, buscando impô-la um padrão inalcançável de beleza. Cobiçaram as suas conquistas, menosprezaram o seu ser e duvidaram de sua capacidade. Até os entes mais próximos, de quem você esperava compreensão e acolhimento, te decepcionaram inúmeras vezes. Aquele trauma que você enfrentou não foi fácil. Alguém traiu a sua confiança, tentou roubar sua esperança e felicidade, te feriu com palavras, gestos e toques. Saiba, porém, que eu sinto profundamente a sua dor.

Eu me encho de compaixão ao vê-la entristecida por seus fracassos e perdas. Chego mais perto, te abraço e pranteamos juntos. Em seguida, seco as suas lágrimas com as minhas mãos suaves e lhe digo: “Não chore!”. Eu te prometi que, se você tivesse fé, veria a manifestação do poder glorioso de Deus; e, assim, receberia de volta a tua alegria. Não, você não ficará sozinha! Ainda que todos ao seu redor riam e afirmem que tudo se acabou, eu a tomo pelas mãos e ordeno: “Menina, levante-se!”. Como uma criança, eu te carrego no colo e nunca permito que a impeçam de vir até mim[7].

Filha, eu te restauro das dores que há tanto você suporta afastada dos olhares de outros. Através da fé, toque em mim e siga em paz. Coragem, pequena ovelha! Você está cercada por lobos? Eu sou o leão que te protege. Venha até a frente, endireite-se, erga a sua cabeça e glorifique a Deus; pois você não precisa andar encurvada. O meu perfeito amor lhe resgata do cárcere do medo e te faz caminhar à luz da verdade. Não se machuque com seu próprio rancor e amargura, aqueles que te magoaram não devem mais lhe causar mal. Você cometeu erros e juízes autonomeados quiseram te apedrejar. Todavia, eu não te condeno. Seja liberta dos fantasmas do passado. Dê-me a sua mão, você não fará isso sozinha, eu mesmo vou te conduzir. Eu satisfaço todas as suas necessidades. Está sedenta? Eu sou a água viva. Tem fome? Eu sou o pão que desceu do céu. Ah! Quão doce é o perfume que exala quando você se rende diante de mim[8].

Minha noiva escolhida! É assim que eu te chamo agora. Quero torná-la santa, pura e perfeita. Se você está cansada e sobrecarregada, eu lhe dou o descanso que a sua alma precisa. Siga-me, deixe que eu te ensine, pois eu possuo um coração manso e humilde. O que peço é simples e a carga que te dou é leve e fácil de carregar. Receba a minha paz, que vai além da compreensão deste mundo. Não tema o presente ou o futuro, porque os sofrimentos, as dificuldades e as perseguições jamais poderão nos distanciar. Em todas as situações você é mais que vencedora! Nada te separará de mim. Menina, eu te amo! E o meu amor é eterno[9].

***

Olá! Eu sou o Medson Barreto.

Ao ouvir as histórias de muitas mulheres, eu percebo o quanto ainda hoje elas continuam sendo vítimas de uma cultura machista, relacionamentos destrutivos e todo o tipo de abusos verbais e físicos. Com o tempo, compreendi que eu não seria capaz de curar as feridas mais profundas que elas possuem na alma; sequer poderia compreender exatamente o que sentem. Mas eu conheço alguém que pode!

Ao olhar para a Bíblia, eu encontro o Deus que sempre se importou com as mulheres. Leia os evangelhos e você assistirá a Jesus quebrando os paradigmas de sua época, convidando mulheres a tornarem-se suas discípulas e as tratando com a dignidade que merecem. Por isso, escrevi este texto como uma carta do próprio Cristo a todas as meninas. Oro para que nós homens sejamos inspirados por Jesus a amar as mulheres assim como Ele amou.

Menina, aceite o convite que Jesus te faz. Entregue a Ele seus medos, culpas, mágoas, preocupações e sonhos. Somente Ele sente a sua dor.

 

[1]Textos bíblicos em que baseei algumas das afirmações deste parágrafo: Atos 17.26; Salmos 139.16; Isaías 49.15.

[2]Efésios 1.4; Salmos 139.13-16; Salmos 71.6; Lucas 12.7.

[3] Gênesis 1 e 2; Jeremias 31.3; 1 João 3.1; 1 João 4.13.

[4] Salmos 139.1-12; Mateus 6.8.

[5] Salmos 139.17-18; Filipenses 2.13.

[6] Segundo a ONU, 7 em cada 10 mulheres no mundo já foram ou serão violentadas em algum momento da vida. De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde do IBGE (2013), 3,1% das mulheres brasileiras com mais de 18 anos – 2,5 milhões de mulheres – já foram vítimas de agressão física, verbal e emocional de autoria de conhecidos, como pai, irmão, marido, amigos ou colegas. Se você sofre qualquer tipo de violência ou conhece alguém nesta condição, procure a polícia ou ligue para o 180, número da Central de Atendimento à Mulher, do Governo Federal.

[7] João 11.20-45; Lucas 7.12-17; Lucas 8.49-56; Mateus 19.13-14.

[8] Lucas 8.43-48; Lucas 13.10-17; 1 João 4.18; João 14.6; João 8.1-11; João 4.1-38; João 6.51; Lucas 7.36-50.

[9]Efésios 5.25-27; Mateus 11.28-30; João 14.27; Filipenses 4.7; Romanos 8.35-39.

SOBRE O AUTOR Ver todos os artigos

Medson Barreto

MEDSON BARRETO nasceu em Belo Horizonte, Minas Gerais, em 1993. É um contador de histórias no papel, na tela e no palco. Escreve roteiros para teatro, atua e dirige desde a adolescência. Compõe poesias, letras de músicas e crônicas. Publicou o livro “Eu não perdi a minha fé”, em que narra a impressionante história de sua família. Seu romance de estreia, “O céu de Roma Negra”, o apresenta como um novo nome da literatura policial brasileira.