Além das minhas paredes…
Trapos cambaleantes assumem na rotineira via
O infeliz posto de paisagem suja, por mais um dia.
Escondem-se nas redomas os seres em si perdidos.
Pelo anseio delirante do ter somos nós regidos.

Além das minhas paredes…
As gotas em pares escorrem da face para a louça
Movidas pela letra assassina que da penumbra ecoa.
A lâmina reluz e atrai o globo hesitante e perdido
Vitimado pelo sonoro maldoso e o silêncio omisso.

Além das minhas paredes…
Vendem-se fora das vitrines corpos sem identidade.
Em troca de papéis e metais saciam a efemeridade
De quem foge da angústia tentando em vão preencher
O eterno vazio que se vicia no imediato prazer.

Além das minhas paredes…
A imagem que testemunho diante do plano cristal
É o retrato distante do ser oprimido pelo flagelo real.
Afogue-se na chuva e enterre-se na lama o sem-teto,
Pois o cenário lúgubre não mais me desperta afeto.

Além das minhas paredes…
Existe um mundo à espera do ruir de meus muros.
Sou o abrigo por dentro trancado, porém inseguro,
O tempero insípido, a lâmpada sob o cesto escondida.
Que as pegadas rompam o cerco e não sejam esquecidas.

SOBRE O AUTOR Ver todos os artigos

Medson Barreto

Medson Barreto nasceu em Belo Horizonte/MG no ano de 1993. É autor do livro “Eu Não Perdi a Minha Fé", em que utiliza um estilo característico de escrita, mesclando Biografia, Romance e Devocional Cristã. Ator e Humorista, apresenta "Sr. Euzébio e Suas Histórias". Poeta. Publica poesias, artigos, reflexões e vídeos no site "medsonbarreto.com" e canal no YouTube.